Tempo Litúrgico: Quaresma - Cor Roxa

Na linguagem corrente, a Quaresma abrange os dias que vão da Quarta-feira de Cinzas até ao Sábado Santo. Contudo, a liturgia propriamente quaresmal começa com o primeiro Domingo da Quaresma e termina com o sábado antes do Domingo da Paixão.

A Quaresma pode se considerar, no ano litúrgico, o tempo mais rico de ensinamentos. Lembra o retiro de Moisés, o longo jejum do profeta Elias e do Salvador. Foi instituída como preparação para o Mistério Pascal, que compreende a Paixão e Morte (Sexta-feira Santa), a Sepultura (Sábado Santo) e a Ressurreição de Jesus Cristo (Domingo e Oitava da Páscoa).

sábado, 29 de maio de 2010

Parabéns Irmã Lena




A Irmã Eleanor Hayes, a nossa Irmã Lena, completou no dia 29 de maio, sábado, 52 anos de vida como freira.

Parabéns Irmã Lena, que Deus a abençoe sempre!!!

Corpus Christi





A Festa de Corpus Christi é a celebração em que solenemente a Igreja comemora a instituição do Santíssimo Sacramento da Eucaristia; sendo o único dia do ano que o Santíssimo Sacramento sai em procissão às nossas ruas. Propriamente é a Quinta-feira Santa o dia da instituição, mas a lembrança da Paixão e Morte do Salvador não permite uma celebração festiva. Por isso, é na Festa de Corpus Christi que os fiéis agradecem e louvam a Deus pelo inestimável dom da Eucaristia, na qual o próprio Senhor se faz presente como alimento e remédio de nossa alma. A Eucaristia é fonte e centro de toda a vida cristã. Nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, o próprio Cristo.

Quando surgiu?

A Festa de Corpus Christi surgiu no séc. XIII, na diocese de Liège, na Bélgica, por iniciativa da freira Juliana de Mont Cornillon, (†1258) que recebia visões nas quais o próprio Jesus lhe pedia uma festa litúrgica anual em honra do sacramento da Eucaristia.
Aconteceu, porém, que quando o padre Pedro de Praga, da Boêmia, celebrou uma Missa na cripta de Santa Cristina, em Bolsena, Itália, aconteceu um milagre eucarístico: da hóstia consagrada começaram a cair gotas de sangue sobre o corporal após a consagração. Alguns dizem que isto ocorreu porque o padre teria duvidado da presença real de Cristo na Eucaristia.
O Papa Urbano IV (1262-1264), que residia em Orvieto, cidade próxima de Bolsena, onde vivia São Tomás de Aquino, informado do milagre, então, ordenou ao Bispo Giacomo que levasse as relíquias de Bolsena a Orvieto. Isso foi feito em procissão. Quando o Papa encontrou a Procissão na entrada de Orvieto, teria então pronunciado diante da relíquia eucarística as palavras: “Corpus Christi”.
Em 11 de agosto de 1264 o Papa emitiu a bula "Transiturus de mundo", onde prescreveu que na quinta-feira após a oitava de Pentecostes, fosse oficialmente celebrada a festa em honra do Corpo do Senhor. São Tomás de Aquino foi encarregado pelo Papa para compor o Ofício da celebração. O Papa era um arcediago de Liège e havia conhecido a Beata e percebido a luz sobrenatural que a iluminava e a sinceridade de seus apelos.
Em 1290 foi construída a belíssima Catedral de Orvieto, em pedras pretas e brancas, chamada de "Lírio das Catedrais". Antes disso, em 1247, realizou-se a primeira procissão eucarística pelas ruas de Liège, como festa diocesana, tornando-se depois uma festa litúrgica celebrada em toda a Bélgica, e depois, então, em toda o mundo no séc. XIV, quando o Papa Clemente V confirmou a Bula de Urbano IV, tornando a Festa da Eucaristia um dever canônico mundial.
Em 1317, o Papa João XXII publicou na Constituição Clementina o dever de se levar a Eucaristia em procissão pelas vias públicas. A partir da oficialização, a Festa de Corpus Christi passou a ser celebrada todos os anos na primeira quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade. A celebração normalmente tem início com a missa, seguida pela procissão pelas ruas da cidade, que se encerra com a bênção do Santíssimo.

Tradição dos tapetes

Todo católico deve participar dessa Procissão por ser a mais importante de todas que acontecem durante o ano, pois é a única onde o próprio Senhor sai às ruas para abençoar as pessoas, as famílias e a cidade. Em muitos lugares criou-se o belo costume de enfeitar as casas com oratórios e flores e as ruas com tapetes ornamentados, tudo em honra do Senhor que vem visitar o seu povo. Tudo isto tem muito sentido e deve ser preservado.
Começaram assim as grandes procissões eucarísticas e também o culto a Jesus Sacramentado foi incrementado no mundo todo através das adorações solenes, das visitas mais assíduas às Igrejas e da multiplicação das bênçãos com o Santíssimo no ostensório por entre cânticos cada vez mais admiráveis. Surgiram também os Congressos Eucarísticos, as Quarenta Horas de Adoração e inúmeras outras homenagens a Jesus na Eucaristia. Muitos se converteram e todo o mundo católico.
O culto eucarístico não começou no século XIII, pois começou desde o Cenáculo, quando Jesus instituiu a sagrada Eucaristia. Mas faltava, porém, uma festa especial para agradecer ao "Prisioneiro dos Sacrários" esta presença inefável que o faz contemporâneo de todas as gerações cristãs. Era necessária, realmente, uma data distinta para que se manifestasse um culto especial ao Corpo e Sangue de Cristo, atraindo d’Ele novas graças e bênçãos para os que caminham neste mundo.
Milagre Eucarístico
Por volta dos anos 700, na cidade italiana de Lanciano, viviam no mosteiro de São Legoziano os Monges de São Basílio, e entre eles havia um que se fazia notar mais por sua cultura mundana do que pelo conhecimento das coisas de Deus. Sua fé parecia vacilante, e ele era perseguido todos os dias pela dúvida de que a hóstia consagrada fosse o verdadeiro Corpo de Cristo e o vinho o Seu verdadeiro Sangue. Mas a Graça Divina nunca o abandonou, fazendo-o orar continuamente para que esse insidioso espinho saísse do seu coração.
Foi quando, certa manhã, celebrando a Santa Missa, mais do que nunca atormentado pela sua dúvida, após proferir as palavras da Consagração, ele viu a hóstia converter-se em Carne viva e o vinho em Sangue vivo. Sentiu-se confuso e dominado pelo temor diante de tão espantoso milagre, permanecendo longo tempo transportado a um êxtase verdadeiramente sobrenatural. Até que, em meio a transbordante alegria, o rosto banhado em lágrimas, voltou-se para as pessoas presentes e disse:
"Ó bem-aventuradas testemunhas diante de quem, para confundir a minha incredulidade, o Santo Deus quis desvendar-se neste Santíssimo Sacramento e tornar-se visível aos vossos olhos. Vinde, irmãos, e admirai o nosso Deus que se aproximou de nós. Eis aqui a Carne e o Sangue do nosso Cristo muito amado!"
A estas palavras os fiéis se precipitaram para o altar e começaram também a chorar e a pedir misericórdia. Logo a notícia se espalhou por toda a pequena cidade, transformando o Monge num novo Tomé. A Hóstia-Carne apresentava, como ainda hoje se pode observar, uma coloração ligeiramente escura, tornando-se rósea se iluminada pelo lado oposto, e tinha aparência fibrosa; o Sangue era de cor terrosa (entre o amarelo e o ocre), coagulado em cinco fragmentos de forma e tamanhos diferentes.
As relíquias foram agasalhadas num tabernáculo de marfim mandado construir pelas pessoas mais credenciadas do lugarejo. A partir de 1713 até hoje, a Carne passou a ser conservada numa custódia de prata, e o Sangue, num cálice de cristal. Aos reconhecimentos eclesiásticos do Milagre, a partir de 1574, veio juntar-se o pronunciamento da Ciência moderna através de minuciosas e rigorosas provas de laboratório. Foi em novembro de 1970 que os Frades Menores Conventuais, sob cuja guarda se mantém a Igreja do Milagre (desde 1252 chamada de São Francisco), decidiram, devidamente autorizados, confiar a dois médicos de renome e idoneidade moral a análise científica das relíquias. Após alguns meses de trabalho, exatamente a 4 de março de 1971, os pesquisadores publicaram um relatório contendo os resultados das análises: "A Carne é verdadeira carne, o Sangue é verdadeiro sangue. A Carne é do tecido muscular do coração (miocárdio, endocárdio e nervo vago). A Carne e o Sangue são do mesmo tipo sangüíneo (AB) e pertencem à espécie humana. No sangue foram encontrados, além das proteínas normais, os seguintes materiais: cloretos, fósforos, magnésio, potássio, sódio e cálcio. A conservação da Carne e do Sangue, deixados em estado natural por 12 séculos e expostos à ação de agentes atmosféricos e biológicos, permanece um fenômeno extraordinário". Antes mesmo de redigirem o documento sobre o resultado das pesquisas realizadas em Arezzo, os Doutores Linoli e Bertelli enviaram aos Frades um telegrama nos seguintes termos: "E o Verbo se fez Carne!". É assim que o Milagre de Lanciano, desafiando a ação do tempo e toda a lógica da ciência humana, se apresenta aos nossos olhos como a prova mais viva e palpável de que "Comei e bebei todos vós, isto é o meu Corpo que é dado por vós".
Mais do que uma simples simbologia como possa parecer, é o sinal divino de que no Sacramento da Comunhão está o alimento da nossa esperança nas Promessas de Cristo para nossa Salvação: "Aquele que come a minha Carne e bebe o meu Sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia" (Jo 6,55).

Referências
Portal Canção Nova
Blog Professor Felipe Aquino
Site Paróquia São Paulo Apóstolo

PENTECOSTES




O que significa Pentecostes?

É uma palavra que vem do grego e significa "quinquagésimo". É o 50° dia depois da Páscoa. É a solenidade da vinda do Espírito Santo. Junto com Natal e Páscoa, forma o tripé mais importante do Ano Litúrgico. Esse detalhe ajuda a compreender por que Pentecostes pertence ao Ciclo da Páscoa.

Qual é a cor litúrgica de Pentecostes e seu significado?

O vermelho domina essa solenidade, associado ao fogo, símbolo do amor. O Espírito Santo é chamado de "Espírito do amor".

Como surgiu a festa de Pentecostes?

Antes de ser uma festa dos cristãos, Pentecostes foi festa dos judeus, e sua origem se perde nas sombras do passado. Antes de se chamar assim, tinha outros nomes, e era uma festa agrícola. Em Êxodo 23,14-17 é chamada de festa da Colheita, a festa dos primeiros feixes de trigo colhidos. Em Êxodo 34,22 é chamada de festa das Semanas. Por que "festa das semanas"? A explicação é dada pelo Levítico (23,15-21): calculavam-se sete semanas a partir do início da colheita do trigo. Sete semanas = 49 dias.
Com o tempo, ela perdeu sua ligação com a vida dos agricultores, recebeu o nome grego de Pentecostes e se tomou festa cívicoreligiosa. No tempo de Jesus, celebrada 50 dias após a Páscoa, ela recordava a dia em que no Monte Sinai, Deus entregou as tábuas da Lei a Moises. Os Atos dos Apóstolos fazem coincidir a vinda do Espírito Santo com a festa judaica de Pentecostes.

Quem recebeu o Espírito Santo no dia de Pentecostes?

O episódio de Pentecostes é narrado por Lucas em Atos 2,1-11. Sem muita reflexão, seriamos tentados a responder que apenas os 12 apóstolos é que receberam o Espírito Santo. Mas lendo com atenção o contexto desse acontecimento poderemos ter surpresas.
De fato, Lucas disse, antes que viesse o Espírito: "Os apóstolos voltaram para Jerusalém, pois se encontravam no chamado Monte das Oliveiras, não muito longe de Jerusalém: uma caminhada de sábado. Entraram na cidade e subiram para a sala de cima, onde costumavam hospedar-se. Ai estavam Pedro e João, Tiago e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão Zelote e Judas, filho de Tiago. Todos eles tinham os mesmos sentimentos e eram assíduos na oração, junto com algumas mulheres, entre as quais Maria, mãe de Jesus, e com as irmãs de Jesus. Nesses dias, ai estava reunido um grupo de mais ou menos cento e vinte pessoas" (Atos 1,12-15a). No dia de Pentecostes, já com Matias substituindo o traidor Judas, Lucas afirma que "todos eles estavam reunidos no mesmo lugar" (2,1). Na fala depois de terem recebido o Espírito Santo, Pedro cita a profeta Joel, que previa a efusão do Espírito sobre todas as pessoas: "Nos últimos dias, diz o Senhor, eu derramarei o meu Espírito sobre todas as pessoas. Os filhos e filhas de vocês vão profetizar, os jovens terão visões e os anciãos terão sonhos. E, naqueles dias, derramarei o meu Espírito também sobre meus servos e servas, e eles profetizarão" (2,17-18; veja Joel 3,1-5). Não se pode, portanto, afirmar que somente os 12 apóstolos e que receberam o Espírito.

O fenômeno de falar em línguas surgiu em Pentecostes?

O dom de falar línguas estranhas era um fenômeno restrito praticamente às comunidades cristãs de Corinto. Esse dom tem pouco a ver com a Pentecostes de Atos 2,1-11. Lá em Corinto, as pessoas rezavam a Deus em línguas estranhas, todas juntas, sem que alguém compreendesse coisa alguma. Paulo põe ordem nessa "babel", mandando que orem um por vez, com intérprete (1 Coríntios 12-14).
Em Atos as coisas são bem diferentes: "Todos ficaram repletos do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem. Acontece que em Jerusalém moravam judeus devotos de todas as nações do mundo. Quando ouviram barulho, todos se reuniram e ficaram confusos, pois cada um ouvia, na sua própria língua, os discípulos falarem. Espantados e surpresos, diziam: 'Esses homens que estão falando, não são todos galileus? Como é que cada um de nós os ouve em sua própria língua materna? ... E cada um de nós em sua própria língua os ouve anunciar as maravilhas de Deus!'" (2,4-8.11).
Lucas montou a cena de Pentecostes sobre o molde da entrega da Lei a Moisés, ou seja, sobre o molde do Pentecostes judaico. Compare Atos 2,1-11 com Êxodo 19,1-20,21, e anote as coincidências. Em Êxodo, todo o povo reunido ao redor do monte; em Atos, o mundo inteiro reunido em Jerusalém. No Êxodo, relâmpagos, trovões, nuvem escura etc., símbolos de teofania (= manifestação de Deus); nos Atos, vento forte, línguas como de fogo, símbolos teofânicos (= manifestação do Espírito de Deus).

Qual a mensagem de Pentecostes?

A mensagem vem, sobretudo das leituras dessa solenidade, que são sempre as mesmas: Atos 2,1-11; 1 Coríntios 12,3b-7.12-13; João 20,19-23. Eis alguns temas que deveriam ser aprofundados. 1. O supremo dom do Pai e de Jesus a humanidade é o Espírito Santo. 2. Soprando sobre os discípulos, Jesus está recriando a humanidade mediante o sopro do Espírito. 3. Recebendo o Espírito de Jesus, os cristãos recebem igualmente a mesma missão. 4. O Espírito é dado a todos. Ninguém fica sem ele, e ninguém o possui plenamente. 5. O Espírito leva a humanidade a formar uma só família, no amor, diferentemente de Babel-confusão, em que as pessoas não se entendem.

Referências
Site Paróquia São Paulo Apóstolo
Enviado por Maria Cristina Marcello Mathais

segunda-feira, 17 de maio de 2010

16 de maio, Dia Mundial das Comunicações Sociais na Igreja










No último dia 16 de maio, domingo, foi comemorada a Ascensão do Senhor e, também, o Dia Mundial das Comunicações Sociais na Igreja, com o tema: “O sacerdote e a Pastoral no mundo digital – os novos meios a serviço da palavra e, para festejar a data a PASCOM – Pastoral da Comunicação da Paróquia São João Batista de Cananéia, em parceria com o Grupo de Mini Jovens do Carijó e Pastoral do Dízimo, preparou a Celebração, que foi ministrada pelo Padre Gilbertinho. Durante a Missa muito foi lembrado que Jesus foi o perfeito comunicador do Pai, fazendo da palavra a sua carne, comunicando, então, a boa nova.
Ao final da Missa todos receberam lembrancinhas confeccionadas pela PASCOM e o Informativo da Paróquia "Luz da Vida".
A PASCOM agradece a todos pela colaboração.

video

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Festa de Santo Antonio na Comunidade do Mandira 2010



Comunidade do Mandira realiza Festa de Santo Antônio

A comunidade quilombola do Bairro Mandira realizará festa em homenagem ao seu Padroeiro Santo Antônio, nos próximos dias 11, 12 e 13 de junho.
Na sexta, 11, haverá Corrida de pedestres às 14h00, Gincana com crianças às 15h00, Quadrilha de adultos às 18h00, Bingo às 21h00 e às
23h00 Apresentação de fandango.
No sábado, 12, a programação conta com Torneio de vôlei às 10h00, Terço cantado às 19h00, Bingo às 20h00, Bingo especial às 22h30 e às 23h00 Grande bailado ao vivo.
Já no domingo, 13, a festa terá Alvorada às 05h00, Missa e Procissão às 09h00, Sorteio de times para Torneio de Futsal às 10h00, Torneio de Futsal às 10h15 e Bingo às 18h00.


Santo Antônio

Santo António de Lisboa ou Santo Antônio de Lisboa, também chamado Santo Antônio de Pádua, tendo seu nome de batismo Fernando de Bulhões, foi um Doutor da Igreja que viveu na viragem dos séculos XII e XIII.
Primeiramente foi frade agostiniano, tendo ingressado como noviço (1210) no Convento de São Vicente de Fora, em Lisboa, tendo posteriormente ido para o Convento de Santa Cruz, em Coimbra, onde fez seus estudos de Direito. Tornou-se franciscano em 1220 e viajou muito, vivendo inicialmente em Portugal, depois na Itália e na França. No ano de 1221 passou a fazer parte do Capítulo Geral da Ordem de Assis, a convite do próprio Francisco, o fundador. Foi professor de Teologia e grande pregador. Foi convidado por São Francisco para pregar contra os Albigenses em França. Foi transferido depois para Bolonha e de seguida para Pádua, onde morreu aos 36 (ou 40) anos.
Santo António de Lisboa é considerado por muitos católicos um grande taumaturgo, sendo-lhe atribuído um notável número de milagres, desde os primeiros tempos após a sua morte até aos dias de hoje.
Protetor dos noivos, é tradição em Lisboa realizar-se um casamento coletivo, no dia 13 de Junho, na sua igreja, junto à Sé de Lisboa.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Santo_Ant%C3%B3nio_de_Lisboa

quinta-feira, 6 de maio de 2010

XVI Congresso Eucarístico Nacional

Fica conosco, Senhor!



O XVI Congresso Eucarístico Nacional (CEN) será realizado de 13 a 16 de maio e terá como tema “Eucaristia, pão da unidade dos discípulos missionários” e por lema “Fica conosco, Senhor!” (cf. Lc 24,29).
O Congresso Eucarístico Nacional será o ponto central das celebrações dos 50 anos da Arquidiocese de Brasília, que contarão também com uma retrospectiva histórica dos acontecimentos mais importantes da Arquidiocese como a primeira missa celebrada no marco inicial da construção da cidade em 1957 e o VIII Congresso Eucarístico Nacional, realizado em 1970.
A programação do Congresso envolverá atividades de reflexão e estudo sobre temas atuais e relevantes para a vivência do sacramento da Eucaristia, celebrações eucarísticas, adoração ao Santíssimo Sacramento e atividades culturais. Para essa autêntica festa, toda a Igreja é convocada, e o evento deverá contar com a presença de cardeais, bispos, sacerdotes, religiosos, diáconos permanentes, membros de institutos de vida consagrada, leigos e representantes de todas as dioceses do País, inclusive de Cananéia.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Pensamento



Enviado por Angélica Bajorinas

Peregrinação da Imagem de Nossa Senhora Aparecida no Vale do Ribeira



No próximo sábado, oito de maio, começa a visitação da Imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida – da Basílica de Aparecida – à região do Vale do Ribeira.

Programação da visitação da Imagem:

Data Município Chegada Horário Chegada
São Paulo
09/5 domingo Boituva 9h
10/5 segunda Votorantim 18h
11/5 terça Piedade 16hs
12/5 quarta Ribeirão Grande 12h
13/5 quinta Guapiara 18h
14/5 sexta Apiaí 16h
15/5 sábado Barra do Chapéu 16h
16/5 domingo Itapirapuã Paulista 16h30
17/5 segunda Ribeira 16h
18/5 terça Adrianópolis-PR
19/5 quarta Itaóca 16h
20/5 quinta Iporanga 16h
21/5 sexta Barra do Turvo 16h
22/5 sábado Itariri 18h
23/5 domingo Pedro de Toledo 15h30
24/5 segunda Miracatu 16h
25/5 terça Juquiá 16h
26/5 quarta Registro 16h
27/5 quinta Sete Barras 16h
28/5 sexta Eldorado 16h
29/5 sábado Cajati 16h
30/5 domingo Jacupiranga 16h
31/5 segunda Pariquera-Açu 16h
01/6 terça Cananéia 16h
02/6 quarta Iguape 12h
03/6 quinta Ilha Comprida
04/6 sexta Iguape 9h

CHEGADA DA IMAGEM DE NOSSA SENHORA APARECIDA

1° DE JUNHO DE 2010


P R O G R A M A Ç Ã O - T R A J E T O

HORÁRIO: EVENTO / LOCAL:
às 15 h Chegada da Imagem de Pariquera-Açu.
das 15h30 às 16h10 Chegada da Imagem no Itapitangui.
das 16h30 às 17h10 Chegada da Imagem no Porto Cubatão.
às 17h30 Chegada da Imagem na Balsa.
18h00 Rotatória – Procissão com Motoqueiros até a Matriz.
18h30 Chegada na Matriz.
19h45 Chegada na Comunidade do Carijó.
20h30 Chegada na Comunidade do Acaraú.
21h00 Chegada na Comunidade do Rocio.
21h30 Retorno à Matriz.

DIA 02 DE JUNHO:
HORÁRIO:EVENTO / LOCAL:
9 h Procissão Marítima.
10 h Preparativos para a partida da Santa na Escuna.
10h30 Saída para São Paulo Bagre até Pedrinhas, com bênção.
13 h Chegada em Iguape - Porto Mario Ferro (Rocio).

Saída da Bandeira do Divino

Fiéis acompanharam a saída da Bandeira nesta segunda-feira, dia três de maio

A tradicional Bandeira do Divino Espírito Santo esteve na Igreja Matriz de São João Batista no último domingo, dia dois de maio, para ser abençoada e encomendada. A saída da Bandeira aconteceu na manhã de segunda-feira, dia três de maio, de onde saiu de barco, junto com tocadores e cantadores para os sítios da cidade.

A Bandeira do Divino

Fonte: Wikkipedia


É uma bandeira religiosa onde está estamda a imagem da pomba simbolizando o Divino Espírito Santo. Circula nas casas na festa do Divino. É confeccionada em damasco vermelho vivo, normalmente de dupla face, de forma quadrangular, com cinco palmos de lado (embora existam bandeiras maiores e menores), sobre o centro da qual é bordada em relevo uma pomba branca da qual irradiam para baixo raios de luz em branco e fio de prata. A bandeira é colocada numa haste em madeira com cerca de dois metros de comprido, encimada por uma pomba em prata ou latão. A bandeira acompanha a coroa e está sempre presente nas cerimônias litúrgicas onde se coroe na festa do Divino. É considerada uma honra ser escolhido para levar a bandeira nos cortejos.
video

Festividades em louvor a São José Operário

Padroeiro da Comunidade do Bairro Porto Cubatão é homenageado com muita fé







Entre os dias 24 de abril e dois de maio a Comunidade do Bairro Porto Cubatão realizou os festejos em louvor a seu padroeiro “São José Operário”, sendo a grande festa no dia primeiro de maio, dia de São José Operário.
As festividades começaram logo cedo, às 05h30, com alvorada festiva, encontro das comunidades da cidade e do continente às 14h00 na Balsa do lado Continental, de onde saiu a procissão até a Igreja de São José Operário, onde foi Celebrada Missa em louvor ao Santo Padroeiro, seguida de confraternização e Bingo especial às 20h00.
Parabéns à comunidade do Porto Cubatão pela belíssima festa!!!

AGENDA / MAIO 2010

Dia 01 Sábado – Dia de São José Operário
15h00 Missa em Louvor ao Padroeiro São José Operário – Porto Cubatão

Dia 02 Domingo
09h00 Liturgia Matriz
09h00 Reunião de Agentes de Pastoral
16h00 Missa Iririaia
19h30 Missa Matriz

Dia 03 Terça-feira
09h00 Despedida da Bandeira

Dia 5 Quarta-Feira
19h30 Missa Matriz

Dia 06 Quinta-Feira
15h00 Missa Pontal
18h30 Missa Enseada da Baleia

Dia 08 Sábado
15h00 Missa Santa Maria Festa Nossa Senhora de Fátima
19h00 Missa Mandira - Batismo

Dia 09 Domingo – Dia das Mães
09h00 Missa Matriz
17h00 Missa Carijó
19h30 Missa Matriz

Dia 12 Quarta-Feira
19h30 Liturgia Matriz

De 13 a 16 (Quinta a Domingo)
XVI Congresso Eucarístico Nacional – Fica conosco, Senhor – Brasília.

Dia 16 Domingo – Dia das Comunicações na Igreja
09h00 Liturgia Matriz
19h30 Liturgia Matriz ???

Dia 19 Quarta-Feira
18h00 Missa São Paulo Bagre
19h30 Missa Matriz

Dia 21 Sexta-Feira
15h00 Missa Marujá - Batismo
19h30 Missa Ariri – Entrega da Bíblia aos Catecúmenos

Dia 22 Sábado
10h00 Missa Varadouro

Dia 23 Domingo - Pentecostes
09h00 Liturgia da Palavra Matriz
09h00 Ordenação Presbiteral do Diácono Fábio Mattos - Jacupiranga
17h00 Missa Itapitangui
19h30 Missa Matriz

Dia 26 Quarta-Feira
19h30 Missa Matriz

Dia 29 Sábado
09h00 Retiro de todos os ministros em Registro
10h00 Missa Itacuruçá
16h00 Missa Rio Branco
19h30 Missa Acaraú
23h00 Forró em prol da restauração da Igreja no Centro Comunitário

Dia 30 Domingo
09h00 Liturgia da Palavra Matriz
09h00 Curso Bíblico para Agentes de Pastoral
19h30 Missa Matriz

Todos os sábados: Bingo em prol das Festas do Divino Espírito Santo e de São João Batista

Cursos dos meses de maio e junho de 2010

I – Bíblia = todas as terças-feiras, às 19h30 (dias quatro e 18 de maio e 15 de junho).
Salão Paroquial – 1ª e 3ª semanas – Padre Víctor.
Porto Cubatão - 1ª e 3ª semanas – irmã Lena.

II – Ministros = todas as quintas-feiras, às 19h30 (dias 13 e 27 de maio e dez de junho).
Salão Paroquial – 2ª e 4ª semanas – Padre Víctor.

III – Missionário = todas as quintas-feiras, às 19h30 (dias seis e 20 de maio).

Comunidade de São Francisco de Assis, Carijó, visita a Comunidade de São José Operário, Porto Cubatão

Por João Batista Alves Júnior










Foi com muito carinho e devoção que a Comunidade de São Francisco de Assis, do Carijó, foi prestigiar as festividades em Louvor a São José Operário, do bairro Porto do Cubatão, nessa última quarta-feira, dia 28 de abril. A Comunidade do Carijó realizou o I Tríduo em Louvor ao Santo Padroeiro São José, que é comemorado no dia primeiro de maio, sendo que é a primeira vez que as comunidades se encontram para realizar um culto. Este ano, com o tema São José Operário, Homem Justo e Fiel, o Carijó realizou o culto com o lema: São José, Patriarca da Igreja Universal. Quando José ouve o alerta do anjo e aceita ser agraciado para ser o Pai de Jesus na Terra, ele mostra como foi a formação da Sagrada Família, pois ele, junto com Maria, foram escolhidos por Deus para serem pais de Jesus, e são exemplos a serem seguidos por todas as famílias do mundo. Durante a realização do culto foi possível fazer com que todos refletissem juntos sobre todos esses acontecimentos, que fazem parte das vidas de toda a comunidade, “pois é através da celebração que nos reconciliamos com Deus e fazemos de sua Páscoa vida nova para todos nós”.
Após a liturgia, todos foram convidados a participar de um belíssimo banquete organizado pela comunidade local, tudo com muita alegria, onde todos degustaram, além de outros pratos, de saborosíssimas tortas de ostra e de marisco.
A Comunidade de São Francisco de Assis agradece a todos que colaboraram, mais uma vez, para que pudéssemos realizar mais esse objetivo em nossa caminhada, a todos os moradores do bairro e amigos que estiveram presentes, ao Bairro do Morro São João, que se tornou um parceiro inseparável, aos familiares que ajudaram no transporte, à comunidade de São José Operário pelo acolhimento, pelo convite e pela confiança que depositou em nós e aos nossos padroeiros que continuam abençoando e iluminando nossas vidas.
Que a Paz esteja sempre com todos, amém!!

Festa de São Marcos no Varadouro

Por João Eugênio Camillo Coelho




A Festa de São Marcos aconteceu na comunidade do Varadouro nos dias 23 e 24 de abril, sexta e sábado. E apesar das fortes chuvas, a turma das comunidades vizinhas não desanimou, mesmo pelo acesso ao bairro ser via fluvial e mais quarenta minutos de caminhada, em meio a uma trilha na mata atlântica, a festa aconteceu.
Marcaram presença o grupo de “Fandangueiros do Ariri” que animou a noite de sábado, com apresentações de batido e baile de fandango, ressaltando que o grupo, este ano, conta com o apoio para intercâmbio cultural em outras comunidades, dos projetos Rede de Fomento ao Empreendedorismo, Conservação e Sustentabilidade de Iniciativas comunitárias, patrocinado pela Petrobrás, através do Programa Desenvolvimento & Cidadania, gerido pela Associação Rede Cananéia, e o ProAc08 - “Programa de Ação Cultural” da Secretaria do Estado da Cultura, na ocasião também estiveram presentes grupo do Governador Valadares e do vilarejo do Sebuí, ambos já pertencentes ao Estado do Paraná.
“A comunidade do Varadouro nos recebeu muito bem, por ser um vilarejo de cultura tradicional, jantamos arroz da lavoura, feijão à lenha, tomamos banho no rio, colocamos o uniforme do fandango e fomos da casa onde estávamos hospedados, somente sob a luz de lanterna, ao salão do baile, iluminado por um gerador, fazer a nossa apresentação, animando a festa. Uma vez por ano é pouco, essa festa do Varadouro, poderia acontecer mais vezes, porque ali acabam se reunindo várias comunidades fandangueiras, que mantêm uma forte tradição nas comunidades ribeirinhas de São Paulo e Paraná, mantendo uma tradição nas festividades herdada de gerações”, enfatiza Lúcia D. Souza, enfermeira do bairro Ariri e idealizadora do Projeto que trouxe melhorias ao grupo.
Vale ressaltar que uma das metas do mesmo é a construção de uma casa de cultura no Ariri, prevista para antes do término deste semestre, para que a comunidade possa receber outros grupos de fandango, com muita boa música, prosa, contos e causos e deliciosa comida caipira, além de servir de atração cultural e gastronômica para o turismo cultural e local presentes no bairro.